Sexta-feira

salvando uma sopa de cebola.



Essa sopa eu fiz, na aula do curso de Gastronomia no Senac.

Quando recebi a ficha técnica nas mãos para executá-la pensei: Mas o que será que vai sair daqui? Sem chances de ficar bom seguindo esse passo a passo.

Para se ter uma idéia, pedia que usasse 300 grs de manteiga, ou seja, 1 pacote e meio, para 1 kg de cebolas!! De onde será que tiraram essa receita??

Não titubiei, puxei na cabeça minha receitinha de sopa de cebola e mandei brasa!

Usei 1 Kg de Cebolas cortadas em julienne (tiras)
*Enquanto chorava cortando as tais, o fundo de galinha foi para a chama do fogo para abrir fervura.

2 ou 3 Colheres de Sopa de Manteiga, que eu não sou louca :)

Suei a cebola no fogo uns 5 minutos.

Joguei 1 cálice de vinho.Espera evaporar.

Junto o fundo de galinha e deixei ferver uns 10 ou 12 minutos.

Uma pitadinha de Pimenta-branca.

Na hora de apresentar o prato salpiquei queijo Parmesão e um pouquinho de Alecrim.
Depois usei o Maçarico para dar uma gratinada no queijo e soltar aquele aroma que eu adooorooo do Alecrim.

Pena que as torradinhas que foram para o forno viraram carvão.

hamburger de peito de peru e gruyère com crips de bacon.



No começo da semana, Tuna trouxe para casa um Peru, daqueles comprados no Mercado, da Sadia e etc e tal, super animado com sua aquisição, pedindo para que nossa querida Cozinheira, a Suely, preparasse o mais rápido, (é sempre assim, imediatista).

Temperado o bichinho, forno nele, e vamos comê-lo no almoço!! Acontece que o maridão ficou decepcionado, e aí entro eu, para dar um novo destino aquele monte de Peru.
Eu acho que ele se esqueceu que o sabor de Peru é aquele sabor...de Natal.

Desfiei todo o peito do coitado rejeitado, processei, acrecentei 1 ovo, cebola picadinha, um pouquinho de farinha de trigo. Ficou com pouca "liga", então usei mais um ovo. Temperei com Lemon Pepper, Pimenta Branca e um pouquinho de Glutamato.

Coloquei nas forminhas de hamburger,*mas podem ser perfeitamente modelados na mão. Eu gosto de Hamburguer bem alto, e o truque de preparo não tem erro:

Para começar, acenda o seu forno, para que ela vá esquentando.

Aqueça um pouquinho uma Grelha com um fio de azeite

Coloque o hamburger na grelha por três minutos

Vire o lado, mais três minutos

Finalize no forno com 1 ou 2 minutinhos. Essa é a hora de você colocar aquele pedacinho de queijo em cima da carne para derreter, eu usei Gruyère.

No meu caso, o forno estava com 2 fatias de bacon, para ficar como um crips, já que não conseguimos seguir a tal dieta ;)

Pão aquecido na grelha, hamburger de peito de peru com o seu queijo preferido derretidinho, crips de bacon, rúcula, alface e tomate, foi o nosso jantar.

Terça-feira

geléia de pimenta e tomate cereja.



Desde que eu voltei de Mauá, trazendo dezenas de potinhos com geléias e chutneys disso e daquilo, que não paro de pensar em quais diferentes sabores de geléia eu poderia fazer.

Junto a isso, recebo um email da Valentina, avisando que o Novo Rei da Quinzena foi postado, corro super anciosa, e ele será a Pimenta.Então pronto, decidi que a minha colaboração com o Colher de Tacho será com Geléias!

Geléia de Pimenta Dedo-de-Moça e Tomatinhos Cereja

1 xícara de Pimenta Dedo-de-Moça sem sementes*Essa é realmente a parte que demanda um certo tempo e esforço. POR FAVOR coloquem uma luva para proteger as mãos e não façam como eu, que fiquei com os dedos inchados e ardidos por um bom tempo!

1 xícara de tomatinhos cereja*a idéia era colocar 1/2 xícara, então, é 1 xícara rasa

1 xícara de açúcar refinado

2 colheres de chá de limão*não tinha, então usei vinagre branco de boa qualidade

4 colheres de chá de suco de laranja*baseado em uma receita de meu colega Culinarista Mauro Rebelo do Site Bem Comer.

Passei as pimentas sem semente em um mini processador, não chegou a virar uma pasta, foi só para ajudar no processo, já que a pimenta é mais durinha.

Depois coloque tudo em uma panela e ferva até dar o ponto de geléia, aparecer o fundo.*eu usei minha Panificadora Britânia que também faz Geléias.

A Geléia é bem agri-doce, quem preferir pode diminuir um pouco a quantidade de açúcar.

Comemos numa torradinha com queijo Gruyere, que não deu tempo de blogar ;)

Sexta-feira

massa para pizza campeã.

Não tem o que pensar, massa para pizza é a receita da Fer Guimarães, do Chucrute com Salsicha.

É a receita oficial daqui de casa há um bom tempo, é crocante, muito gostosa.

1 xícara de água morna

1\2 colher de chá de açúcar

2 + 1\2 colher de chá de Fermento Seco

1 colher de sopa de Azeite

1 + 1\2 xícara de Farinha de Trigo

1 xícara de Farinha de Semolina *é a responsável pelo croc croc

2 colheres de chá de sal grosso

Coloque a água morna e o fermento no recipiente da batedeira.

Depois de 5 minutos misture o azeite, o sal e as farinhas.

Sove ou bata com o gancho para massas pesadas até ficar elástica e macia.

A Fer manda descansar a massa por 3 horas, mas a minha ficou só 1 hora e deu certo.

Quarta-feira

a boa lembrança.



A idéia é a seguinte: Restaurantes se cadastram e se associam ao Clube da Boa Lembrança, e depois de trabalhar um tempo com determinado prato no cardápio, e de acordo com o sucesso e aprovação do mesmo (assim acho eu), ele é eleito para ser o Prato da Boa Lembrança.

Ao pedí-lo no Restaurante, você leva para casa um prato de cerâmica ilustrado artisticamente com a receita (todos são uma graça, e confesso que esse mimo pesa bastante na hora de escolher o prato).*como o daí de cima.

Você tem vontade de ir a todos os restaurantes da associação para levar para casa a Boa Lembrança!!

No Restaurante Gosto com Gosto eu pedi a Picanha de Sal Marinho do Algarve, claro, para voltar para casa com o meu pratinho.

É uma associação super séria, as cerâmicas não são vendidas separadas de jeito maneira, sob pena de o estabelecimento ser descadastrado.E depois tem o site deles aonde tem até O Mercado dos pratos, para quem quiser trocar o seu mimo por outro, muito bacana.

Eu bem tentei um jeitinho de levar a minha cerâmica sem saborear o prato da boa lembrança, mas o garçom me explicou tudo direitinho e contou o babado dos restaurantes descadastrados, que faziam um agradinho para a clientela VIP.

Por fim, valeu a pena pela Picanha, e pelo início da minha coleção de pratinhos da Boa Lembrança.


Terça-feira

XVI concurso gastronômico de visconde de mauá.






Esses foram os pratos servidos no XVI Concurso Gastronômico em Mauá.

De acordo com a ordem servida e as fotos:

A entrada foi criada pelo Chef Espanhol Vicente Más Gonzales, mais conhecido como Paquito, responsável pela cozinha do Restaurante Parador Valência em Petrópolis.Foi servido Calamares na própia tinta.

Pelo o que eu pude notar e sentir, são Lulas na própia tinta e ele usou um feijãozinho e Cogumelo Fresco de Paris.

O primeiro prato foi confeccionado pelo carioca Marcos Sodré, Chef Proprietário do Restaurante Sawasdee em Búzios.Também fez fama com Cozinha Tailandesa.

Filé de Namorado em Crosta de Especiarias com Salsa de Manga, Tomates Secos e Daíkon.

O segundo prato ficou por conta do Chef Mineiro de Belo Horizonte Paulo Pinho, dono do Restaurante La Sagrada Família, no Centro do Rio de Janeiro.

Para mim, foi o prato mais saboroso: Stinco* de Cordeiro marinado e Guisado em vinho e ervas com creme de Baroa*.
(*o ossobuco inteiro do cordeiro, um corte, que segundo o Chef, veio da Bahia).
(*não me convenci de que era Baroa, para mim era de batata Inglesa).

A sobremesa foi preparada pela Carioca Flávia Quaresma, Chef proprietária do Careme Bistrô, em Botafogo, no Rio de Janeiro.

Pudim de Abade (de Priscos) com espuma de Pinhão e Coulis de Ameixa seca com Laranja. Uma delicinhaa.

Saboreamos com Vinho Argentino.

Gostei muito do evento, aconselho aos amigos.

Segunda-feira

caviar de tapioca.




Se existia alguém curioso com o desfecho do Sagu de Mandioca, que publiquei aqui, lá vai:
Caviar de Tapioca

A receita foi tirada do Chef Claude Troigros e adaptada à minha maneira.

Cozinhei o sagu em água até tampar por 25 minutos. Nessa hora vai sair muita fécula, vai parecer uma goma.

Depois lavei bem pacientemente até tirar toda ou quase toda fécula.

Coloquei em um recipiente de alumínio e tampei todo o Sagu com Molho Shoyo. Deixei 24 hs ou mais um pouquinho na geladeira.

Depois disso, temperei com Glutamato de Sódio, Pimenta Tabasco e bastante Azeite para ficar bem brilhoso.

Como eu não tinha nenhuma latinha de Caviar, servi assim mesmo, no prato, como se vê na foto.

O Chef Claude manda temperar com gotas de Limão, Gengibre ralado, Pimenta Dedo de Moça, Azeite e sal.
Posted by Picasa

terrine de parma e grana padano.




Receita do Restaurante O Navegador - Cozinha Internacional, no Rio de Janeiro.

400 grs de Presunto de Parma em fatias finas

1 envelope de 12 grs de gelatina em pó sem sabor

2 colheres de sopa de água quente

450 ml de leite

450 ml de creme de leite fresco

250 grs de Grana Padano

Folhas verdes para decorar

* eu fiz meia receita.
* a quantidade de creme pode ser reduzida.

A receita manda forrar a forma de bolo inglês com filme plástico, em seguida cobrir com fatias de presunto, deixando abas de cerca de 5 cm pendendo das bordas.

Picar o restante das fatias de presuntos bem fininho.

Dissolver a gelatina na água quente.

Levar panela ao fogo em banho maria. Juntar leite, creme de leite, gelatina dissolvida e o queijo ralado.

Mexer bem até que todos os ingredientes se misturem.* cerca de 7 a 10 minutos, dependendo do fogão.

Não deixar o creme ferver.

Misturar o presunto picadinho ao creme.

Transferir o creme para a forma, mantendo as abas de presunto para fora das bordas. Colocar filme plástico por cima e levar à geladeira.

Quando a mistura estiver quase firme (cerca de 1h) cobrir cuidadosamente com as abas pendentes.

Levar de volta à geladeira até ficar completamente firme.

Passar a Terrine para o congelador 1 h antes de servir, de modo que adquira consistência para cortar com a faca.

Quarta-feira

pérolas na cozinha.




Essa coisinha linda da foto é o Sagu de Mandioca cozido.

uma pequena grande gentileza.



Uma grande e estimada amiga esteve lá pelas terras de Portugal e trouxe essa maravilha de Óleo Extra Virgem para Minha Cozinha.

Não preciso dizer o quanto gostei, do presente e da lembrança..

Terça-feira

o ovo da perua...



Ele é assim, todo pintadinho.

Segunda-feira

sopa com rabanetes à minha moda.





Todo dia acontece da mesma forma..., a tarde vai acabando e eu tenho que pensar no que fazer para o nosso jantar..

De manhã fui à feira e trouxe para casa Rabanete, que se transformou na estrela da noite.

Para fazer a sopa, eu segui a mesma forma de preparo de uma sopa de Cebola:

Descaquei os rabanetes*a casquinha rosa deixa um ligeiro amargor.

Cortei grosseiramente 1 cebola Branca e refoguei em metade azeite, metade manteiga.

Acrescentei os rabanetes cortados também grosseiramente e 1 dentinho de alho esmagado.

Quando a cebola começou a ficar transparente joguei vinho Branco Seco e esperei evaporar.

Coloquei 1 litro de Caldo de Legumes e depois que leventou fervura, marquei 20 minutos de fogo para reduzir e apurar um pouco.

Temperei com Pimenta-Branca e sal.

Como eu achei um pouco sem sabor coloquei um pedacinho de linguiça mineira daquela fininha, com 10 minutos ela estava cozida, retirei, cortei em pedaços redondos, passei na frigideira e joguei na sopa de novo.

Para acompanhar, usei o pão dormido para fazer torradas com azeite, cubinhos de tomate e Queijo Grana Padano ralado.

Essa sopa foi uma saída para os Rabanetes, não encontrei outra forma de usá-los.

O resultado final foi mto gostoso.

Sábado

feliz dia das mães!


Sexta-feira

concurso gastronômico visconde de mauá


Acabei de reservar nossa pousada em Mauá para o próximo Final de Semana!!!

Totalmente despretenciosa, tomei conhecimento desse pequeno evento naquela Serra charmosérrima, ontem à noite.

Fomos encontrar um casal super querido e fofo para um bate papo e voltamos para casa com essa informação, mais dois livros maravilhosos que eles nos presentearam, e ainda a companhia deles garantida para o passeio gastronômico da próxima semana.
Ufa!!Que bom!!

O concurso é pequenininho, a nível local, mas conta com bons nomes para jurados como Flávia Querida Quaresma entre outros, desconhecidos meus (por enquanto)!! Tenho certeza que vai ser uma maravilha..


Em tempo, acordei feliz igual a criança com brinquedo novo, fui correndo folhear os novos moradores da minha estante. Um fala sobre a gastronomia Brasileira, contando histórias gastronômicas de 9 capitais brasileiras, fotografias deslumbrantes, e o outro me traz receitas feitas com tudo que um porco pode oferecer, do carérrimo presunto Pata Negra à Bochecha do bichão.Segredos dos badalados restaurantes do País, Lindo. ; )




Terça-feira

bolo de aipim dos imortais.


A edição 178 da Revista Gula fez uma reportagem sobre o famoso chá da Academia Brasileira de Letras, que acontece, faça chuva ou sol, toda quinta-feira às 15 hs, na Av. Presidente Wilson, Centro do Rio de Janeiro.

Lá estava a receita do bolo de aipim com coco, que se diz o mais disputado da mesa.

Fácil de fazer, macio e delicado, com consistência de pudim e coberto por coco ralado. Delicioso.

Coloque dentro de uma vasilha grande 1 Kg de Aipim descascado e cortado em pedacinhos, 500 ml de leite, 3 colheres de sopa de leite em pó, 2 ovos, 600 grs de açúcar, 400 ml de leite de coco.

Msture com uma colher e bata no liquidificador. * vai ter que dividir pela metade e bater duas vezes. Bata bem para não ficar pedaços de aipim.

Depois de batido jogue 200 grs de Coco ralado e misture.

Unte um tabuleiro fundo e retangular com Manteiga. * eu usei um de mais ou menos 40 por 25 cm, se quiser que fique mais altinho use um menor.

Com 35 min. de forno eu polvilhei Coco ralado.

Ficou 1 h e 30 min. no forno o total.

Espere ele esfriar totalmente para cortá-lo.

Eu já tinha feito duas tentativas de bolo de Aipim com receitas diferentes e nunca conseguia um bom resultado, essa deu certo e é DELICIOSA.

Segunda-feira

capeletti de cordeiro à minha moda.


Da nossa passada pelo Rio de Janeiro, junto com a bagagem, veio o Cabrito à moda, do Nova Capela.

A história foi a seguinte, depois de passar uma tarde na Adega do Pimenta em Santa Tereza, descemos para Lapa e sentamos no Nova Capela.

O resultado é fácil de se prever: não demos conta do pedido e providenciamos para que fosse embalado e trouxemos para casa.

No Restaurante eles chamam de carne de cabrito, porque virou tradição,mas na verdade é Carneiro mesmo ou Cordeiro, se tiver sido abatido até o primeiro ano de vida.
É o famoso melhor Cabrito do Rio de Janeiro, eleito por esses concursos anuais da Veja Rio e etc,

Já em casa, o bichinho estava devidamente desfiado e congelado, pronto para a sua reciclagem, que foi na sexta-feira.


Usei massa de Pastel comprada pronta da marca Carneiro, que para mim é a melhor, pena que não vende aqui na minha cidade e quando vou ao Rio sempre trago comigo.


Recheei as massinhas com a carne e um pouquinho de Queijo Catupiry.


O caldo de carneiro eu já tinha no freezer, feito com osso do pernil de carneiro, cebola, cenoura, salsão, Bouquet Garni com tomilho, alecrim e louro, pimenta do reino preta, um pouco de sal grosso, um pouco de vinho, espera evaporar e mete água até tampar tudo. Espera reduzir pelo menos 1\3 para desligar o fogo, em torno de 2 horas e meia.


Fiz um refogado de cebola no azeite e metade de manteiga.


Depois taquei alho (não adianta que eu não consigo separar a cebola do alho).


Joga o caldo descongelado, espera ferver. Dissolvo um pouco de Maizena em água em temperatura ambiente para dar uma encorpada no caldo.


Depois de tudo isso, corrigido e encontrado o sabor, joga as massinhas recheadas no Caldo fervendo, aguarda 3 minutos e está pronto.


Capeletti de Cordeiro à minha moda.
P.S. O pulo do gato é refogar e temperar bem gostoso o caldo.

Sexta-feira

serra capixaba - espaço vellozia

Em uma breve estada na Serra Capixaba, não abri mão de saborear um dos menus do cardápio do Espaço Vellozia, e como era de se esperar fui embora com planos de retorno para experimentar outros tantos.


Na escolha do prato principal, fiquei em dúvida entre três opções e Tuna também, coisa que é difícil de acontecer.


Um bom restaurante, que está entre os dez melhores do Brasil, eleito pelo Guia Quatro Rodas Rodoviário, merecidamente.








A entradinha foi uma Polenta assada na chapa com Puína.* uma espécie de ricota, só que com consistência mais pastosa e salgadinha.



Minha escolha foi extra cardápio, Coelho acompanhado de creme de Mandioquinha (batata baroa) com azeite Tartufado. A carne desfiava no garfo!



Tuna optou pelo Confit de Canard com Risoto de Tomate Seco*sem um fiapinho de pele. Também com a carne no ponto ideal.



A sobremesa foi Figo recheado com Ricota regado com creme de Chocolate.

Fim do entretenimento gastrônomico, pé na estrada felizes e satisfeitos

P.S. A cozinha é assinada pela Chef Elizandra E. Modolo